Seguidores

domingo, 12 de junho de 2016

GARRAS DOS SENTIDOS
Não quero cantar amores,
Amores são passos perdidos,
São frios raios solares, ...
Verdes garras dos sentidos.

São cavalos corredores
Com asas de ferro e chumbo,
Caídos nas águas fundas,
não quero cantar amores.
Paraísos proibidos,
Contentamentos injustos,
Feliz adversidade,
Amores são passos perdidos.
São demências dos olhares,
Alegre festa de pranto,
São furor obediente,
São frios raios solares.
Dá má sorte defendidos
Os homens de bom juízo
Têm nas mãos prodigiosas
Verdes garras dos sentidos.
Não quero cantar amores
Nem falar dos seus motivos.
Augustina Bessa-Luís

1 comentário:

Maria Rodrigues disse...

Excelente escolha, magnifico poema.
Beijinhos
Maria